Mosteiro Budista Suddhavāri

Budismo Theravada, Tradição da Floresta

Entrevista sobre o projeto

7 Comentários

  1. Caro Bhante,

    Desde quando eu soube da intenção em se fazer esse mosteiro aqui no Brasil,de cara,eu deixei claro que podiam contar também comigo.O Arthur(Shaker) e o prof Iraê Gomes (Natal)me consultaram e eu afirmei a eles que sim,podiam contar comigo!Esse vídeo foi muito esclarecedor,mais ainda sim restou dúvidas …principalmente em relação a compra do terreno.Em algum momento foi falado que n seria mais em São Lourenço pois o terreno visto estava sob herança,e que alguns leigos estavam procurando terreno em algum interior de São Paulo…Então perguntei isso ao Arthur e ele me deu esse seu endereço.Gostaria então de saber maiores informações sobre a mais importante etapa que é a 1 de todas;Compra do Terreno,afinal já foi decidido o terreno,existe estimativa de valor do mesmo?enfim…acho que sua resposta servira a priori para muitos que estão em dúvida!

    grato,
    JJacob
    Belém-PA

    • Olá Jacob. Estamos trabalhando com a intenção de ficar em São Lourenço, mas só podemos dizer com certeza quando a compra tiver sido efetivada. Antes disso, é impossível. O terreno que temos em vista está em inventário, mas a advogada que está nos assessorando disse que não problemas com relação a isso. Nós estamos trabalhando com a ideia de um orçamento máximo de R$ 500.000,00, incluindo compra e impostos, o que limitaria o valor para a compra a no máximo R$ 450.000. Se esse terreno não der certo, ou se acharmos um melhor, podemos mudar de ideia, mas estamos trabalhando para que dê certo neste atual.

  2. Bhante,

    foi assim que aconteceu a construção do mosteiro em Portugal?

    Em Portugal eles primeiro compraram um terreno só para o centro de prática.

    como eles estavam começando, não foi um terreno grande. um terreno simples com uma casa. eu não sei se eles compraram só o terreno ou foi com uma casa toda pronta. se eu não me engano eles até mudaram uma 2 vezes de lugar antes de comprarem um terreno para a construção do mosteiro.

    Depois quando a sanga estava bem estruturada e estabelecida em Portugal é que procuraram um terreno maior para a construção do Mosteiro.

    http://sumedharama.pt/2013_2014_ViharaInPortugal.pdf – Pag 23

    http://sumedharama.pt/galeria/primeira-ordenacao-em-portugal-bhikkhu-mandali-18-de-setembro-2016/

    Não seria melhor comprar um terreno só para o centro de prática primeiro ( com uma casa e espaço para uma sala de meditação e com sistema de água e energia tudo instalado) e depois pensar em algo grande como um terreno para um mosteiro?

    só uma simples sugestão.

    • Eu estive acompanhando e participando de todo o processo do mosteiro em Portugal. Estive lá quando ainda estavam em um sobrado em Lisboa e fui visitar o local onde agora é a residência deles. Nosso projeto surgiu de uma forma diferente e por isso não seguiu o mesmo caminho. Nossa intenção inicial era ficar no Rio até que houvessem mais monges residentes e então fazer a mudança para um local mais amplo e apropriado. Mas os eventos tomaram um caminho inusitado e de um dia para o outro tudo foi destruído e não pudemos mais dar continuidade a esse projeto. Eu já estava pronto a voltar para a Tailândia mas tive que permanecer para preparar e receber LP Liem no Brasil. Nós não tínhamos recursos para alugar um local para residir em qualquer cidade, muito menos no Rio que é uma das mais caras. Para nós a solução mais viável era tentar achar um local para já construir a residência permanente. Era como se tivéssemos uma só bala no nosso revólver, não dava para fazer aos poucos – ou íamos para o objetivo final ou desistíamos de vez. Foi assim, e estranhamente parece que vai dar certo… Eu mesmo tô me beliscando para ter certeza que é de verdade. Já atingimos dois terços do valor necessário para comprar o terreno, o que significa que mesmo que esse terreno não seja possível, podemos facilmente comprar outro menor ou numa região mais barata. Então é seguro dizer que parece que vai acontecer mesmo, mas só vamos saber quando de fato se materializar. Alea iacta est!

  3. O livro de Mé Chi Kué mostra que as cabanas são de folha de bambu, sapê, taboa, etc e que os monges da floresta vagam, andam, deslocam-se, de uma residência, casa, domicílio, para outro & viceversa.

    • Sim, e há muito tempo isso já mudou. Antigamente haviam muitas áreas florestadas que eram consideradas “sem-dono” e era onde os monges habitavam. Hoje em dia não só há poucas florestas como a maioria é de posse privada ou estatal e acesso a elas é restrito. Não é permitido a ninguém simplesmente entrar e ir morar lá, como faziam antes. Hoje em dia, cada metro quadrado deste mundo tem um dono, e se você entrar ali, será preso. A prática dos monges migrou para monastérios onde a floresta foi cercada para proteger da destruição da cidade, a geração que presenciou essa mudança foi a de Ajahn Chah e Ajahn Mahā Bua. Grande parte da contribuição deles foi adaptar a prática que antes ocorria nas florestas abertas, para dentro das florestas fechadas, dentro dos monastérios dos florestas atuais.

      Com relação à cabanas de bambu e telhado de palha, são convenientes se você está de passagem por um local, mas para moradia a longo prazo elas dão mais trabalho e geram mais custos pois requerem manutenção constante e devem ser substituídas por completo uma vez ao ano, no caso do telhado. Nesse tipo de situação, a opção mais econômica e racional é construir algo simples, ou de madeira ou de cimento, que dure muito tempo e não gere muita manutenção. Na Tailândia é mais comum o uso de madeira, mas me parece que no Brasil o material de construção mais barato é bloco e cimento, e é o que provavelmente iremos utilizar.

      • Veneravel Bhante!
        Juntei-me à tropa muito alegremente. Quem leu todos os seus livros e posts, sabe também que Ajahn Maha Boowa mandou cercar todo o seu Mosteiro com um muro de 3m de altura. Na Biografia de Ajahn Pañña, a gente lê , porque o encarregado dessa missão foi p proprio Ajahn Pañña !
        Quando li isso fiquei surpreso!
        No entanto os Mosteiros e os Monges tem que obrigatoriamente se modernizar para sua propria sobrevivencia!
        Na sua palestra VS me explicou porque os monges continuam a viver das doações de alimentos da população perto do Mosteiro.
        Eu não entendia, com meu pensamente de habitante citadino…
        Os monges não podem separar-se do poivo, por isso o Senhor Bhudda proibiu-os de fazer sua própria comida!
        Maravilhoso, Bhante!
        Estou com todos voces!
        Contem comigo!

Comentários estão fechados.