Agora o mosteiro sai do papel e vira realidade

Depois de muita demora e burocracia, conseguimos confirmar a compra do terreno em São Lourenço – oficialmente estamos no município de Soledade de Minas, só que mais próximos da cidade de São Lourenço – e o preço acordado foram R$ 400.000,00 por 26 hectares. No início não achávamos que precisávamos de um terreno tão grande, mas o proprietário só venderia se comprássemos tudo, o que no final foi bom, pois assim o mosteiro fica muito mais amplo e podemos reflorestar toda a área. No terreno há três minas d’água muito pura e a característica do relevo é um vale em forma de “U” possuindo uma única entrada, o que nos garante segurança, tranquilidade e silêncio. Estamos a cerca de dois quilômetros do asfalto, quinze minutos do centro de São Lourenço. Da rodoviária é possível vir de táxi/mototáxi ou pegar o circular “Ramon – Rodoviária”, descer no ponto final e vir andando até o terreno – uns 30 minutos de caminhada. Ou seja, tivemos o cuidado de encontrar um local em que mesmo aqueles que não possuam automóvel, tenham acesso.

O que acontece em seguida?

Assinado o contrato de venda, começa o processo de construção. Do montante total arrecadado, após a compra do terreno, sobraram cerca de R$ 100.000, que achamos serão suficientes para construir um sistema inicial de abastecimento de água, uma oficina/depósito e um salão de meditação. Assim que possível daremos início a esse trabalho. Como Ajahn Mudito estará ausente até novembro, a obra será tocada por voluntários da Associação Dhamma Ghara e da Sociedade Budista do Brasil.

O website do mosteiro será recriado do zero para que as pessoas possam acompanhar o processo de construção e participar ajudando com trabalho ou a financiar a obra. Queremos abrir também a possibilidade de doação de material, portanto vamos tentar especificar o que vai ser feito e qual o custo de cada item como telhado, ferragem, azulejos, etc, para aqueles que quiserem, puderem doar aquele item específico.

Ajahn Mudito

Luang Pó Piak, professor do Ajahn Mudito, vai dar uma série de ensinamentos e retiro na Austrália e pediu que Ajahn Mudito fosse junto para ser seu tradutor. Como Luang Pó insistiu, Ajahn Mudito achou que não seria correto recusar e portanto estará ausente de 8 a 25 de outubro. Dia 26 de outubro ele participará de uma cerimônia na Embaixada Tailandesa em Brasília, então fica no Rio de Janeiro até 7 de novembro, quando volta a Brasília para ministrar um retiro na Sociedade Vipassana de Meditação. Retorna a São Lourenço por volta do dia 20 de novembro e, caso as obras estejam concluídas, logo realizaremos uma cerimônia para marcar o início de atividades oficiais do Mosteiro Suddhāvari. Todos estão convidados, principalmente todos os doadores que tornaram tudo isso possível!

Sociedade Budista do Brasil

Já está em andamento a confecção de um novo estatuto social para a SBB, mais apropriado para administração de uma entidade onde há a participações de monges e em linha com a prática usual dos demais mosteiros da Forest Sangha. Dezembro é a data em que o estatuto atual da SBB prevê a reeleição obrigatória de toda sua diretoria e nossa meta é já aproveitar essa data para tornar vigente o novo estatuto.

Mais monges

Quando Ajahn Mudito foi à Inglaterra expor o projeto do mosteiro aos monges sêniores da sangha, lhe foi recomendado levar ao menos mais um monge consigo para o Brasil, para lhe fazer companhia e ajudar a resolver os problemas que se apresentem. Mas Ajahn Mudito pediu permissão para ir sozinho pois não sabia quais seriam as condições de moradia, alimentação e assistência em caso de emergência. Tendo passado os últimos três meses em São Lourenço e recebido caloroso suporte da comunidade local – em especial os membros da Associação Dhamma Ghara – Ajahn Mudito agora já está confiante de que é possível trazer mais um ou dois monges para auxiliá-lo no desenvolvimento do projeto. Assim sendo, enviou notícias aos abades dos mosteiros ocidentais e a Luang Pó Liem, o líder da sangha de Wat Pah Pong, relatando os desenvolvimentos recentes e os convidando a enviar monges caso julguem apropriado. Imaginamos que a partir de dezembro já tenhamos uma ideia mais clara de qual ou quais monges virão, e quando chegarão. Inicialmente é pouco provável que já haverão cabanas construídas no mosteiro, mas Ajahn Mudito está disposto a morar na oficina/depósito enquanto necessário (caso ela fique pronta) ou mesmo continuar morando em barraca. Além disso, o Sílvio Piantino se ofereceu a abrigar um monge na cabana de meditação em sua propriedade vizinha ao mosteiro.

Fiquem de olho para a estreia do novo site do Mosteiro Suddhāvari. Até logo!